/ / / Informação Estatística Operacional 2018

Informação Estatística Operacional 2018

com Sem comentários

ESTRUTURA DA CARGA

Os indicadores de produção relativamente ao tráfego de mercadorias continuarem abaixo dos níveis registados nos períodos áureos, devido a desaceleração económica, retracção da Economia Nacional e da instabilidade dos Mercados Financeiros que se vive no momento. O ano em análise foi evidentemente superior ao volume de carga, cujo total foi 990.874 toneladas contra 848.497 toneladas movimentadas (+16,8%) do Ano de 2017

-Na carga geral continua o predomínio da carga manipulada, tendo registado um acréscimo na ordem de 8,3%, em relação ao período análogo. Dentro da carga mecanizada, o predomínio recai para a descarga de combustíveis diversos.

-Deste modo, continua a prevalecer o fenómeno de a actividade produtiva do Porto do Namibe ser fortemente influenciada pela Importação/Reexportação de produtos e, a nível de Cabotagem pelo desembarque de Combustíveis a Granel, verificando um aumento de 97.313 toneladas (32%) da carga mecanizada comparado ao ano de 2017.

Tráfego de Contentores

Quanto ao tráfego de contentores, comparativamente ao período análogo houve uma redução de 648 Teus correspondente a 2,5%; a diminuição verificada deveu-se ao facto de os navios de longo curso que escalaram este Porto terem transportado menor número de contentores e mercadorias.

Carga Contentorizada

Neste período a carga contentorizada totalizou a 463.891 toneladas, o que representa uma variação positiva de 0,4%) em relação ao Ano análogo.

O tempo de permanência foi superior em relação ao perído análogo, durante o exercício em análise foi de 1,4 dias, por motivos de:

▪ Espera de espaço na esfera da Sonangol, reservado a recepção de granéis líquidos derivados de petróleo;

▪ Ausência do Rebocador Weliwítschia no último trimestre, para superação de diversas avarias junto ao estaleiro da Lobinave, na cidade do Lobito, o que inviabilizou as manobras de atracação e desatracação nos casos de agitação marítima;

▪ O défice de equipamentos de apoio às operações de descarga e carga dos navios, por parte da Concessionária.